quinta-feira, 9 de maio de 2013

Acerca dos desafios alcançados e das observações banais – D. Donson

Não me lembro se foi Wilde que disse que “a vida é apenas um tempinho horroroso cheio de momentos deliciosos”.  E tem razão. Quando conseguimos nos afastar um centímetro de nossa própria mediocridade isso faz-nos ver tudo ao nosso redor com uma clareza antes desconhecida.
Experimentar esses momentos deliciosos depois de uma longa caminha de labor e ansiedade, sem dúvida, vale uma vida inteira. Quem sabe essa súbita claridade interior é o que se convencionou , através dos tempos, ser chamado de... de “paz”. Estar em paz com sua própria guerra, um modo excitante de ser feliz.
E para que essa paz chegue é preciso deixar tanta coisa para trás, sentimentos que não nos servem mais. É preciso contar também com um pouco de sorte, com a ajuda de quem, muitas vezes, menos esperamos. E eu garanto que a melhor sensação de um ser humano, a mais elevada, é um dia precisar de ajuda e ser ajudado. Isso é o que nos torna pessoas!
Estou tão iluminado por meus planos terem dado certo. Você começa a se sentir vazio, busca uma ideia nova, a ideia ocorre de repente, vira um sonho, que se torna um projeto e realizar o novo projeto se torna algo mais importante inclusive que você mesmo.
Gostaria de agradecer a todos que de alguma forma participaram, os franceses que conheci, as pessoas brilhantes que sempre estiveram perto de mim. Também agradeço quem não acreditou em mim, quem se tornou algum desafeto.  Vocês me motivam a trazer à existência esse êxtase que agora estou imerso.
Embora eu esteja deitado nesse jardim, dentro do centro da cidade, com esse reflexos de luz por entre as árvores, por dentro estou dançando. Uma dança africana da alegria original, do êxtase primeiro, consciência pura submergindo todas as minhas inseguranças. Eu queria estar assim para sempre, mas sei que não vai durar.
O importante é prosseguir, distraidamente, rumo a esses deliciosos momentos. Ao encontro de si mesmo, sempre. E esse vento maravilhoso, esse jardim, disso sentirei falta. Há um caminho para ser livre, mas ele está oculto dentro de nós. Atingir essa consciência sobre a estranha beleza do mundo é o grande desafio de toda uma vida.

L’eternité est l’état des choses en ce moment.

2 comentários:

Tracy Ellen Caetano disse...

Ah meu doce amigo lhe desejo bons ventos e novos jardins te amo documento tray

Audrey Boni disse...

Sua sensibilidade para escrever (seu dom, o que eu prefiro chamar inteligencia) dao vida as palavras, e cada uma dela desempenha um papel nessa cena, criando um cenario, encenando mais uma peca....e assim contam a historia. Love you!