segunda-feira, 21 de maio de 2012

Noite espontânea e o crescimento das plantas - D. Donson

Noitezinha, noitezinha, do seu negro véu crescei a flor
Da minha mente tiro o sonho
De que o mundo é puro amor

Do desejo eu vejo o espelho
Do que fui, do que eu sou
A fumaça me faz ver
Todo o ódio que restou

Noitezinha, noitezinha, não se renda para a luz
O teu brilho mais eterno
O próprio escuro é quem conduz

Amanha o dia é de sóbrios
E aos loucos perseguirão
Quem sabe o pouco da verdade
Cria o próprio Deus no coração

2 comentários:

Deni Rogê disse...

Te desejarei sempre uma boa noite....

Alex Pedro disse...

Para ler em voz alta. Adorei. :)