terça-feira, 21 de setembro de 2010

A Primavera e os renovos da terra

É primavera. Não sei por que, mas a primavera me dá coisas. Começando por uma sensação de estranha mobilidade, uma sensação que faz com que eu repense a minha vida atual. Talvez seja o chão carregado de flores pisadas, mas com o perfume ainda fresco. Talvez seja o reflexo de luz por entre as árvores que me recosto. Eu adoro o vai e vem das folhas o meu quintal.

Por instantes, penso que sei do universo. Não digo que conheço o universo, mas sei sem saber que a vida está se refazendo, organicamente. É quando também volto à terra, humilde, cansado e desvanecido. Sim, porque também preciso me refazer e buscar forças outras pra encarar a vida de frente e encarar a minha verdade de frente.

A minha verdade nunca me agradou. E se há alguma coisa que me incomoda em ser gente (ou aspirar em ser humano) é o fato de que jamais alcanço minhas raízes. Eu quero dizer que, por vezes, não me sinto parte de nada. E vivo procurando uma forma telepática de me encontrar.
Mas há tanto que já me perdi que temo em achar-me tarde demais. Temo em tomar gosto pelo abismo, pelo ato de se perder, pois perder-se é um achar-se muito perigoso.

Sinto, nesta primavera, que é hora de retornar à terra se eu quiser continuar vivendo. O mundo é um emaranhado de opiniões sobre ele. E ninguém sabe de nada, ninguém tem tempo de saber.
Dias destes acordei triste. Fazia um sol como no inferno e há dias não chovia. Tive por um momento a sensação de estar sob forte pressão na terra dos homens. Tive a sensação de que eu não me enquadro em perfil algum e que, mesmo assim, minhas atitudes estavam me levando para um quarto escuro.

Neste quarto escuro, eu podia ouvir ao longe gritos e revoltas. Mas o pior de tudo é que eu havia perdido o direito de também gritar, eu era mudo, eu existia simbolicamente. Eu estava como as folhas caídas do meu quintal, sendo pisadas voluntariamente por seres bem maiores do que elas.
Então, resolvi parar de lutar, me deixei ser pisado. As pessoas que andam sobre o mundo esperam uma oportunidade para acusar um criminoso. Cometi muitos erros na minha ânsia de ver todas as coisas como elas realmente são e isto me levou para o quarto escuro de que falei. Porque ainda que eu tenha a razão, se eu falasse, eu seria arrastado.

Falta-me o direito de denunciar, pois eu também faço parte deste grande círculo de erros e acertos. Mas quanto ao crime, uma bala só é suficiente para matar um facínora. As demais balas se resumem em vontade de matar, em prepotência de quem atira – e este se torna criminoso de igual modo.

A justiça, meu amor, a justiça é algo que é sempre praticado de forma equivocada. Pois dentro de todo homem justo há um facínora em potencial - nada do que é humano me é estranho. Para me livrar de todas as vibrações que criei, preciso de reciclagem, porque eu tenho os meus lobos. E não quero ser insensível à dor alheia, não quero ser o que eu fui um dia. Terei que sair pela por dos fundos para me salvar de mim mesmo. E como a primavera, terei que me deixar cortar para só assim voltar mais forte ano que vem.

Um comentário:

T. Ellen disse...

adoro passar aquii, aprendo tanto
beijos ....