quinta-feira, 8 de julho de 2010

Noite sem fim - D. Donson


Não é a toa que entendo quem jamais dispensa uma balada. Quem não conhece a vida noturna de certos clubes e bares, não entenderá o que irei falar. Começamos, pois, pela liberdade que a noite promete. Do momento em que saímos do banho e nos arrumamos, até as luzes caleidoscópicas da pista de dança: com bons amigos ao lado, pelo menos a diversão é garantida.

Cada pessoa tem um estereótipo físico do que deseja encontrar nessa longuíssima noite. A moda também se faz presente, grandes estilistas, brands: Gucci, Fendi, Prada, Valentino, Armani, Calvin...hehehe. O que todos nós - os que freqüentam estes locais - já aprendemos é que algumas destas noites escondem grandes surpresas. Boas ou más, elas quebram com a maldição do cotidiano e da trivialidade de tarefas repetitivas e fuckin cansativas. Talvez este seja o grande segredo: a quebra, a ruptura, a novidade.

Também devo salientar que em tais locais algumas pessoas se tornam irreconhecíveis. Isso porque estão sendo, por uma noite, livres – coisa que assunta. Portanto, elas fazem coisas que jamais caberiam no seu dia-a-dia, no mundo real que envolve a todos nós. Estou tentando falar de algo que é pungente dentro do ser humano, mas não quero dar um tom didático, pois não tenho nada a ensinar.

Ocorre que algumas noites podem se tornar odisséias de grandes romances ou aventuras. Há quem jure que viveu um autêntico relacionamento numa única noite. Há também aqueles que optam por beijar 15155148886313 de bocas, ainda que no dia seguinte não se lembrem do rosto de ninguém. Há ainda aqueles que, como eu, entram com o pé esquerdo na grande festa (porém, muito alinhado, obrigado) e sem grandes expectativas, apenas o compromisso de celebrar um momento de... de liberdade.

No entanto, me parece que a falta de pretensão dá ocasião à surpresa. Justo eu que, dos meus três amigos, sou o menos baladeiro. Pois depois de insistentes ligações resolvi conhecer certos novos clubes em outra cidade. Tive grandes descobertas das quais pouco irei falar, pois o dia já amanheceu e nunca consegui na vida lidar com os restos do carnaval.

Com isso, quero dizer que não sei o que foi real, já que tudo que se vive lá parece desaparecer com a luz do dia. Me lembro bem da sexta-feira FREAK, todas as músicas que eu amo foram tocadas: Cold, Avril, Alanis, Oasis e até Elis Regina. O sábado eu guardo comigo, mesmo sob o efeito duas doses de Jack...hehehe – o sábado é meu.

Esqueci o que eu pretendia com este post, vou parar um pouco para um café, já são 2h da manhã e o mundo descansa, menos eu que tenho insônia. Voltei. Lembrei: a noite também pode ser mágica, como se uma fada me dissesse: “Apenas por esta noite, você terá o que você quiser. Quando sol aparecer você precisa estar longe daqui”...hehe. Gostaria de dizer que... que aceitei as condições. Mesmo sabendo que brinquei de bola sem bola e que numa noite como estas, a única garantia é a deliciosa vertigem do momento.

Espero ter sido menos melancólico que o usual, afinal, não estou triste hoje, só um pouco cansado. Talvez sábado eu aceite novamente as condições e esta fada anônima me faça o favor de repetir meu desejo...hehehe. Eu acho que devo ser alguém especial: se eu não existisse, a Disney me inventaria...hehehe. Acho melhor ir dormir, XOXO.

Um comentário:

joyce domingos disse...

ah,querido....

eu não sou muito baladeira não...mas vc em sua noite de insônia soube descrever bem o momento da noite,da festa...da liberdade que nos invade....

a pista de dança tão convidativa que hipnotiza..que nos torma especiais ...talvez pela noite inteira...talvez até o sol raiar...

as pessoas,as roupas,as luzes,os perfumes...

tudo como um fairy tale....e quando amanhece a gente vai pra casa exausto..pois todo carnaval tem seu fim....

um bj!

apareça mais dani,querido^^