quinta-feira, 6 de março de 2008

Meus sonhos - Trecho Clarice Lispector

Meus sonhos podem ser guardados em caixa de fósforos. Grandes ou pequenos, são meus. Sem receio de ser egoísta, quem sabe um dia, num momento normalíssimo do cotidiano, eu risque todos os fósforos. Eu odeio quando sou ritualístico e repito, cotidianamente, os mesmos sonhos. Odeio a espera. Prefiro o imediatismo da vida. Guardo meus sonhos em caixa de fósforos porque tenho a certeza de que irei queimá-los um dia. Tartarugas são as rainhas da frivolidade. E vivem 120 anos. São animais desprovidos de qualquer resquício de sistema límbico. São efêmeras. Andei pensando em tartarugas... São mocinhas sábias porque não sonham